Estratégia de marketing: O Guia para alavancar suas campanhas

Estratégia de marketing: O Guia para alavancar suas campanhas

O marketing é uma das áreas que mais tem crescido no país. Por meio dele, é possível alcançar resultados melhores para uma empresa ou, até mesmo, para um único indivíduo, dependendo da função que ele exerce. São muitas as ferramentas que podem ser utilizadas para chegar ao topo, mas, o importante, é saber como usá-las devidamente.

Em meio a tantas estratégias que encontramos pela internet a fora, está na hora de conhecer o guia definitivo da estratégia de marketing. Abaixo, você irá encontrar a fórmula correta para ampliar os seus horizontes e, com toda a certeza, obter resultados jamais esperados.

Antes de mais nada, o que é estratégia?

Olhando sob uma perspectiva geral, estratégia é “a arte e a ciência de conduzir um exército por um caminho”, visto que a origem da palavra vem do contexto militar. No entanto, também há a definição de que é um “conjunto de ações para alcançar um objetivo”. São muitas as maneiras que podemos encarar esse termo que parece tão simples, mas, em prática, exige trabalho para ser colocado em prática.

Com uma análise na maior parte das perspectivas, levando em consideração grandes teóricos, filósofos, políticos e economistas, a estratégia nada mais é do que um guia. No entanto, ela só pode funcionar caso venha a se tornar o resultado de um bom planejamento. Dessa forma, será possível chegar a um determinado objetivo de maneira mais organizada e assertiva.

Para que dê certo, também é necessário que os objetivos sejam definidos a longo prazo, bem como a maneira com a qual serão alcançados por determinada pessoa ou empresa. A estratégia de um negócio irá depender, basicamente, dos resultados que ele deseja obter para si e para o futuro.

Qual a importância da estratégia dentro do marketing?

Dentro dessa área tão abrangente e que precisa de estratégia para ser levada adiante, é preciso traçar objetivos para que uma empresa consiga alcançar determinados pontos de sucesso, principalmente em relação à potenciais consumidores. Assim, poderão transformá-los em clientes fixos e fiéis de sua marca.

De um modo geral, a estratégia de marketing contém uma proposta de valor para a empresa, incluindo dados demográficos, demonstrativos do mercado, clientes-alvo e outras informações que possam vir a ser importantes para ampliar os horizontes da empresa e, consequentemente, atingir mais pessoas.

Ao aplicar estratégia dentro dessa área, é possível conseguir ter uma organização maior, criando a possibilidade de concentrar poucas oportunidades nas melhores possíveis. Sendo assim, as chances de aumentar as vendas de modo considerável serão muito maiores, visto que há um objetivo definido, bem como os meios para conseguir atingir determinados resultados.

No fim, a verdade é única: o cliente sempre irá ditar o ritmo do mercado. O consumidor deverá vir em primeiro plano, porque é ele quem faz a parte financeira girar. Os objetivos devem estar direcionados para ele de maneira ampla e assertiva, apostando em novidades para que não haja qualquer desinteresse da parte do público-alvo.

E como se define “tática”?

A tática está diretamente entrelaçada com a história da estratégia. É por meio dela que podemos descrever ações específicas, bem como suas sequências. Além disso, ela permite que cronogramas sejam traçados para que os objetivos anteriormente definidos sejam atingidos de modo mais rápido e com muito menos danos.

A grande diferença entre as duas aplicações é que a tática é bem mais específica e imediatista, visto que foi programada exatamente para isso. De um modo geral, é por meio dela que o cliente conseguirá enxergar a sua marca e, consequentemente, passar a perceber que nela há tudo o que é necessário para complementar sua rotina.

Se colocadas lado a lado com as estratégias, é possível afirmar que as táticas são bem flexíveis. Caso uma tática não venha a funcionar do modo correto, então se pode dizer que ela deve ser ajustada o mais rápido possível para não causar ainda mais danos. Sendo assim, é válido ressaltar que elas podem ser trocadas, adicionadas, adaptadas ou removidas de acordo com as necessidades.

Diante das estratégias, haverá o posicionamento de um conjunto de táticas para cada uma delas, com o objetivo de assertividade quando forem lançadas ao mercado. As empresas, de um modo geral, costumam testar diferentes tipos para descobrir qual delas funciona melhor com o público e quais podem ser descartadas.

Alguns diferentes exemplos de táticas de marketing são:

  • escrever posts para blogs;
  • conseguir depoimentos dos clientes;
  • enviar pesquisas de satisfação para o cliente.

Qual a importância da tática dentro do marketing?

Do mesmo modo que a estratégia de marketing tem objetivos bem definidos, as táticas de marketing estão mais focadas em detalhes para que se possa alcançar esses objetivos. Desse modo, quando uma estratégia é utilizada, as táticas serão estritamente necessárias para que os movimentos sejam colocados em jogo e consigam alcançar resultados positivos.

O ideal é que o perfil detalhado do cliente esteja todo traçado para a sua empresa. Dessa forma, com todas as informações em mãos, será possível montar uma tática (quase) infalível para gerar ainda mais resultados. Ao conhecer o seu público-alvo, poderá ser possível determinar os canais de marketing que funcionarão de modo mais eficaz.

É muito comum que as táticas de marketing estejam mais voltadas para gerar leads, criar sites, inserir anúncios em redes sociais, além do acompanhamento dos perfis dos clientes. Ainda é possível incluir a esse cenário as ações de publicidade, como promoções de vendas e outras atividades que atinjam, diretamente, o plano estratégico do marketing já construído.

Para que haja um entendimento um pouco mais fácil sobre a diferença entre estratégia e tática, é possível definir a estratégia como o “por quê?” e a tática como o “como?”. Respectivamente, a primeira possui objetivos a longo prazo, enquanto a segunda oferece resultados a curto prazo.

Em sua maioria, as táticas conseguem definir como você está indo para alcançar um objetivo em específico. Elas envolvem as melhores práticas, bem como planos específicos, recursos e também podem ser vistas como iniciativas, visto que dão o primeiro passo rumo ao sucesso daquela marca.

Diferenças entre estratégia e tática

De uma maneira geral, a principal regra para entender qual a diferença entre estratégia e tática está, justamente, em “pensar” e “agir”. Dentro do marketing, um conjunto de operações deve ser devidamente seguido. A primeira das etapas é definir um mapa do mercado, fazendo com que as personas sejam identificadas e categorizadas dentro de segmentos.

Uma boa estratégia pode definir os objetivos a serem alcançados a longo prazo, mas com um bom planejamento para alcançá-los. De um modo geral, é possível dizer que a estratégia está mais voltada para os pensamentos e planejamentos do que a ação em si. Por isso, é extremamente importante para garantir que todas as ações futuras tenham uma boa taxa de sucesso.

Já a tática é bem mais concreta e está relacionada com o “agir”. Na maior parte das vezes, são orientadas por pequenos passos em um curto período. Elas estão envolvidas diretamente com práticas recomendadas, planos específicos, recursos e iniciativas, todas desenvolvidas graças a uma boa estratégia.

A maior parte das empresas utilizam técnicas semelhantes para promover suas ações de marketing. Isso não ocorre por causa de uma estratégia, visto que ela requer um esforço proativo para que seja definida e, posteriormente, orientanda das táticas. Dessa forma, o ideal é que a estratégia seja definida detalhadamente para conseguir um avanço de sucesso.

Uma boa maneira de conseguir diferenciar a estratégia da tática é observar como a estratégia pode influenciar diretamente no mercado competitivo, possibilitando que haja uma grande vantagem na corrida. É como se as estratégias fossem definidas como regras de combate dentro de uma longa e árdua batalha, o que poderá garantir a vitória da sua marca.

Por fim, é válido lembrar que a ausência de metas específicas a serem alcançadas pode vir a ser um problema bastante comum, principalmente quando não há qualquer estratégia ou profissional que só se preocupe em pensar na tática. A estratégia deve definir uma integração entre as visões, metas e objetivos traçados.

O modelo STP como escada para o sucesso

O modelo STP (Segmentação, Targeting e Posicionamento) é muito utilizado para que uma comunicação para o público seja criada. Isso acaba gerando um maior direcionamento do marketing e, consequentemente, oferece uma experiência personalizada e diferente para o cliente, o que, de fato, torna-se importante em um mundo onde se vive mais do mesmo.

Conseguindo definir os seus clientes por meio de segmentação e avaliação de potencial econômico, a sua empresa conseguirá identificar quais são os segmentos-alvo, onde se deve investir de maneira mais sólida. Além disso, haverá uma facilitação na hora de identificar como a marca deve se posicionar em relação àquele público.

O STP acaba por ser uma consequência lógica da evolução do mercado. Dentro do marketing tradicional, os modelos acabavam girando, unicamente, em torno de produtos. No entanto, com pesquisas e observação, foi possível notar que investir no cliente era, de fato, a melhor estratégia para as vendas.

Dentro dos principais objetivos desse método estão:

 

  • segmentação: segmentação de mercado;
  • targeting: identificação dos clientes ideais;
  • posicionamento: posicionamento da sua oferta.

 

O Modelo STP acabou por ser concebido para que os clientes pudessem ser identificados de uma maneira muito mais fácil, permitindo que o marketing fosse capaz de se adaptar para que eles se sintam confortáveis. Isso permitirá que a sua empresa envolva melhor cada um dos grupos, possibilitando a personalização de mensagens para vender cada vez mais.

De um modo geral, ele constitui um conceito fundamental para que o marketing de uma marca tenha sucesso, visto que as empresas precisariam usar estratégias de marketing genéricas e, consequentemente, não iriam conseguir se inserir no mercado competitivo de uma maneira minimamente eficiente ou expressiva.

O primeiro passo é conseguir fazer uma divisão do mercado em grupos distintos de clientes, ou seja, segmentos. Em seguida, será preciso selecionar o segmento que tenha maior atração, fazendo com que os esforços de marketing estejam voltados para ele. Por fim, é ideal que se escolha um posicionamento para aquele determinado produto, marca ou serviço.

No que consiste a segmentação?

Segmentar um mercado significa que há uma divisão de potenciais clientes dentro de grupos, ou segmentos, tomando como base suas principais características. De um modo geral, observa-se qual o maior índice de consumo daquele grupo de clientes, bem como suas preferências de pagamento, frequência de compras e outros elementos que tenham relação com a compra e venda.

Os segmentos podem ser criados de uma maneira em que os consumidores conseguirão responder, de maneira semelhante, às estratégias de marketing, além de compartilhar características comuns como, por exemplo, interesses, necessidades ou a localização. De um modo mais simples, cada segmento de clientes apresentará uma característica parecida, onde as marcas irão aproveitar para fazer uma otimização nos esforços de marketing.

Os segmentos disponíveis no mercado poderão, ainda, promover uma maior potencialização dos ciclos de desenvolvimento dos produtos. Sendo assim, informações de criação de ofertas, e de quando é um bom momento aplicá-las, poderão estar incluídas ali, em seus diferentes segmentos.

Utilizando todas essas pequenas estratégias, é possível atingir uma gama muito ampla de segmentos do mercado. As campanhas publicitárias caracterizam-se como sendo um dos principais métodos para captar mais clientes e promover um engajamento e, por isso, a segmentação oferece uma maior possibilidade de personalização e, consequentemente, maior atratividade para os diferentes públicos.

A segmentação é o primeiro passo a ser dado no modelo STP de marketing, principalmente porque leva mais tempo e esforço, o que, por consequência, exigirá um pouco mais de atenção do que outras partes. No entanto, ela é definitivamente mais eficaz do que qualquer outra abordagem genérica.

Um dos principais objetivos desse tipo de estratégia, no caso a segmentação, é levar mensagens de modo personalizado para que sejam recebidas com sucesso pelo público. Isso acaba trazendo inúmeras vantagens para aquelas empresas que oferecem produtos ou serviços com vários benefícios e, até mesmo, para aquelas com usos diferentes para os seus clientes.

Tipos de segmentação

É bem provável que a sua empresa, produto, serviço ou marca não possua a mesma relevância para todas as pessoas, principalmente porque os gostos do público-alvo são completamente diferentes. Por isso, será necessário usar da estratégia de segmentação de mercado para que os grupos estejam bem definidos e, consequentemente, sejam atingidos de acordo com seus interesses.

Isso fará com que haja a possibilidade de montar uma abordagem para atender as necessidades de cada grupo, podendo oferecer muito mais vantagem acima de outros concorrentes que estão com suas estratégias restritas a um único público. Por isso, a segmentação impede a propagação de campanhas genéricas.

São muitas as maneiras de segmentar o mercado, mas nenhuma delas pode ser considerada melhor do que a outra, visto que algumas empresas se adaptam melhor de x formas do que outras. Por isso, abaixo, você pode acompanhar quais são os principais tipos de segmentação:

Segmentação por comportamento (comportamental)

A segmentação comportamental está diretamente ligada com o processo de categorização dos potenciais clientes, organizando-os em grupos menores. A principal base é o seu comportamento de compra, permitindo que a segmentação ocorra pelo modo com o qual as pessoas usam um produto, bem como pelo nível de lealdade ou pelos benefícios que estão buscando.

De um modo um pouco mais específico, a segmentação comportamental também serve para analisar o porquê do público fazer determinadas escolhas ou ações. Nestes casos, é preciso levar em consideração todo o processo realizado até chegar ao momento da compra.

Alguns dos exemplos mais comuns de segmentação são:

  • hábitos de gastos dos consumidores;
  • tipos de compras realizadas pelos consumidores;
  • status do usuário;
  • interações com a marca.

Para que a segmentação comportamental chegue a dar certo, é necessário que a empresa conheça as ações dos clientes. Dessa forma, as atividades poderão estar relacionadas de maneira direta com o consumidor, por meio de interações ou outras atividades que ocorram fora de seu escopo.

Por meio dela, é possível fazer com que as empresas tenham um maior aproveitamento das diferenças comportamentais, permitindo que haja uma otimização das mensagens de marketing, as quais seriam baseadas nesses dados.

Também é possível utilizar a segmentação comportamental para separar aqueles usuários que estão interessados ou desinteressados. Na maior parte dos casos, os profissionais de marketing conseguem fazer um filtro de seu público-alvo, tomando como base o seu nível de envolvimento. Isso aumenta, e muito, as chances dos produtos serem encontrados por aquelas pessoas que realmente precisam deles.

Outro bom motivo para a sua utilização está, justamente, na economia de dinheiro. Por meio da segmentação comportamental, há uma priorização de campanhas que transformam as campanhas em algo ainda mais relevante, consequentemente tornando as estratégias de marketing mais efetivas e econômicas.

Por fim, ainda é válido mencionar acerca do acompanhamento de métricas, visto que cada segmento pode ser bem caracterizado para melhorar os resultados, e a lealdade adquirida em relação aos clientes e a marca. Aos poucos, será possível compreender melhor quais são as intenções de cada consumidor, possibilitando uma oferta mais atrativa de serviços.

Seu uso pode ser muito bem definido em e-mail marketing, bem como marketing via SMS, marketing por mídias sociais e, até mesmo um chatbot marketing. Todas essas opções mexem, diretamente, com o interesse do cliente acerca de determinado produto.

Segmentação demográfica

De uma maneira geral, a segmentação demográfica é um tipo que mistura a classificação e a separação do público-alvo tomando como base os dados populacionais. Esses dados podem acabar transitando entre a idade, o gênero e a renda de cada um dos consumidores, facilitando a elaboração de estratégias que envolvam um maior engajamento com o público.

Quando uma persona é definida e a sua marca decide que irá trabalhar em cima dela, os dados mais básicos precisam estar nas suas mãos. O ideal é que, normalmente, esses sejam os primeiros passos dados para uma busca e aplicação efetiva. Fazendo uma observação geral do público-alvo, as estratégias ficam ainda mais poderosas.

Muito embora seja uma aplicação de segmentação mais fria, visto que acaba por não levar em conta os aspectos psicológicos dos clientes, ainda são muito importantes para que a sua empresa tenha bons resultados. A segmentação demográfica irá ajudar a especificar para quem realmente você está direcionando a comunicação.

Pessoas idosas se comunicam de maneiras diferentes de um jovem de 19 anos, por exemplo. Então, se a sua empresa tenta se comunicar com ambos os públicos da mesma maneira, é muito provável que haja uma grande falha no processo e, consequentemente, o seu produto ou serviço não irá vender.

Alguns dos dados levados em consideração para esse tipo de segmentação são:

  • estado civil;
  • etnia;
  • escolaridade;
  • idade;
  • gênero;
  • renda;
  • religião;
  • emprego.

Muito embora a estratégia de segmentação pareça ser muito certeira, é ideal que ela venha acompanhada de outros meios. O ideal é que, se o seu foco for a venda pela internet, os leads devem ser capturados para que sejam nutridos e estejam em constante engajamento com a sua marca. 

Um dos tipos mais utilizados, atualmente, com toda a certa é a segmentação demográfica por geração. Diante de tantos compradores que utilizam a internet, é importante definir bem as estratégias utilizadas entre um público mais moderno e um consumidor que não está tão à vontade com as novas tecnologias.

Para que isso seja possível, você precisará utilizar uma landing page com otimização para conversão. Assim, o seu alcance será muito maior, bem como os conhecimentos acerca do público-alvo.

Uma das regras principais do marketing digital, com toda a certeza, é “quanto maior o público definido, melhor será o seu direcionamento e resultados”. Por isso, é mais vantajoso tentar atingir um número menor de pessoas segmentadas do que apostar todas as fichas em um número grande de usuários.

Segmentação geográfica

Muito embora a segmentação geográfica esteja mais para uma subcategoria da segmentação demográfica, ainda é possível dizer que esta, em específico, é um pouco mais simples. De um modo geral, ela busca criar diferentes grupos-alvo de clientes, tomando como base suas fronteiras geográficas, ou seja, sua localização.

Diante das necessidades, preferências e interesses apresentados por esses clientes-alvo, será preciso compreender todas as condições de uma determinada região em que eles habitam para que haja uma determinação de onde vender ou anunciar. Assim, haverá altas chances de expandir o seu negócio.

Em uma ampla visão da segmentação geográfica, as pesquisas são decompostas em:

  • cidade;
  • país;
  • região;
  • município.

Quando as pesquisas de uma empresa começam a atingir níveis internacionais, é mais do que necessário levar em consideração os fatores geográficos. O fuso horário, a temperatura, o clima, a política, bem como eventos sociais e culturais podem, sim, interferir diretamente nas condições de compra.

A segmentação geográfica serve, principalmente, para trazer uma delimitação de um nicho de mercado, tomando como base as características já mencionadas. Assim, será possível fazer com que a sua empresa tenha uma visão ainda mais fiel do público-alvo, além de permitir uma aproximação cada vez maior.

Com informações tão relevantes em mãos, é possível fazer uma pesquisa ampla a respeito de hábitos, bem como de costumes, produtos e serviços que são mais consumidos pelos clientes, assim como promover um alinhamento de características locais com todos os produtos oferecidos, do mesmo modo que adaptar propagandas para as personas.

Com a segmentação geográfica, um estabelecimento consegue ser ainda mais assertivo em suas apostar, principalmente quando elas se referem às estratégias de marketing, vendas e, primordialmente, relacionamentos com os clientes. Assim, é possível dispor, unicamente, de recursos necessários para as operações.

Ampliando um pouco mais os horizontes, os principais benefícios trazidos por esse tipo de segmentação são:

  • definição de nicho de mercado e de público-alvo;
  • produção diante da demanda;
  • marketing eficaz;
  • controle de gastos;
  • maior proximidade com o público-alvo;
  • produtos e serviços de acordo com as necessidades do consumidor;
  • aumento do lucro.

Para que a segmentação demográfica seja aplicada, antes de mais nada, é necessário definir um planejamento estratégico. Assim, qualquer decisão que venha a ser tomada pelo seu negócio, independente de seu tamanho ou nicho, deve ser extremamente bem pensada para evitar perdas maiores do que os ganhos.

Em seguida, ainda há a necessidade de buscar por suas personas. A empresa deve estar preocupada em saber exatamente quem é seu público-alvo. Alguns elementos podem ser muito úteis para isso como, por exemplo, os hábitos adotados, bem como hobbies, profissão, nível de instrução, além dos tipos de conteúdo consumidos.

Por fim, ainda é possível falar acerca da implementação de marketing eficiente. Uma campanha publicitário pode acabar sendo a alma do seu negócio. No entanto, é necessário que a empresa saiba exatamente o que está comunicando e para quem essa mensagem deve ser passada. O filtro da segmentação demográfica será muito útil neste ponto.

Segmentação psicográfica

A segmentação psicográfica consiste, principalmente, em utilizar dos traços psicológicos do público-alvo para influenciar nos hábitos de consumo. Os hábitos acabam por ser encontrados em estilos de vida, bem como nas preferências manifestadas pelo consumidor. Algumas delas, inclusive, podem ser:

  • status social;
  • atividades diárias;
  • hábitos alimentares;
  • opinião sobre um tópico em específico.

A segmentação, neste sentido, acaba sendo realizada com base no “como” as pessoas estão pensando naquele momento, bem como no “o que” elas pretendem para a vida. Qualquer organização que tenha como finalidade compreender o processo dos pensamentos dos consumidores pode ser considerado uma segmentação psicográfica.

Quando uma organização está diretamente ligada com a venda de produtos ou serviços, precisará levar em consideração os seus clientes e, principalmente, o que eles mais gostam. Assim, com o tempo e com o entendimento acerca do consumidor, será possível evoluir o seu negócio e, se assim progredir, expandir o negócio.

Os pesquisadores que estão envolvidos com o mercado podem acabar segmentando suas pesquisas tomando como base a personalidade dos clientes, podendo formar grupos com clientes de interesses e personalidades semelhantes. Produtos ou serviços que se mostram como novidade podem acabar sendo lançados para atender públicos diferentes.

Dentre as personalidades mais conhecidas no ramo dos negócios estão:

  • criativa;
  • emocional;
  • amistosa;
  • teimosa;
  • introvertida;
  • extrovertida.

Com essas classificações devidamente organizadas em uma planilha, e repassadas dentre a equipe organizacional de uma empresa, os clientes poderão ser filtrados do modo correto, permitindo que um sistema seja implementado e, consequentemente, acabe por agradar a todos os públicos, mesmo que com um único produto.

Para que um negócio possa se desenvolver da melhor maneira possível, é preciso que os produtos agreguem um valor muito expressivo para os clientes. O ideal é que eles estejam voltados para as necessidades apresentadas na segmentação dos grupos, principalmente levando em consideração seus hábitos e personalidades.

Antigamente, era muito comum que marcas de bebida ou perfumes, por exemplo, estivessem mais voltadas para a personalidade de seus clientes, visando criar as melhores campanhas de marketing. No entanto, acabavam por não conseguir abranger todos os públicos. Por isso, com a segmentação psicográfica, é possível ampliar os horizontes.

Uma empresa deve investir, diretamente, nos mais variados recursos para criar produtos diferenciados, que mostrem inovação dentro de um mercado competitivo. Ainda assim, é preciso que esses recursos fiquem salvos, caso a segmentação seja feita com base no estilo de vida de cada um dos clientes.

O que é targeting e como ele pode te ajudar?

O targeting, em si, significa promover uma divisão do mercado em segmentos e, em seguida, reunir esforços do marketing para que haja um ou alguns segmentos-chave, tendo em vista as necessidades e desejos que estão mais próximos das ofertas de produtos e serviços oferecidos por uma empresa.

Diante dos vários tipos de segmentação já apresentados, é possível definir exatamente qual o seu cliente e, por isso, agora, é a hora de começar a pensar de uma maneira mais realista para atingir os resultados esperados. O targeting se refere diretamente ao processo de escolha de um grupo específico, como um alvo, para que as ações de marketing sejam corretamente direcionadas.

Em muitos casos, torna-se quase impossível uma segmentação dos perfis identificados, tendo em vista a falta de recursos. No entanto, em momentos como o mencionado, será preciso aumentar o nível de exigência. Dentro dos segmentos que foram previamente selecionados, é interessante pensar no que está de bom tamanho e com qual expectativa esse crescimento será realizado. O número de concorrentes para aquele target específico também deve ser observado.

O target será definido com um grupo específico que representa um enorme potencial de compradores, onde estes serão direcionados para a sua empresa, bem como para produtos e serviços oferecidos por ela. De uma maneira geral, e um tanto mais simples de compreender, é o grupo de compradores que se mostra mais provável de ter interesse nas ofertas do seu negócio.

Os compradores específicos para o seu ramo são aqueles que possuem ideais com características próprias, do mesmo modo em que se encontram em situações específicas para as quais os seus produtos ou serviços podem conversar especificamente. Ou seja, o público-alvo é aquele que se mostra mais adepto ao que é oferecido.

Saber como e onde encontrar o público-alvo certo para os seus produtos se mostra um dos pontos mais importantes da jogada de marketing. Além disso, ao se programar e pesquisar a respeito, a taxa de assertividade aumenta vigorosamente, tornando toda a sua propaganda um verdadeiro sucesso.

Benefícios do targeting

Uma das grandes vantagens do targeting é, justamente, promover um direcionamento dos esforços do marketing para grupos específicos de compradores, tornando a promoção, precificação e distribuição um dos pontos mais fortes do seu negócio, bem como mais fácil e econômico para ambos os lados.

Dentro do modelo STP, já mencionado e explicado anteriormente, é possível dividir o público-alvo em segmentos diferenciados. Após isso, será preciso começar a atingir os pontos relevantes desses grupos, tornando suas ofertas cada vez mais atraentes, utilizando das campanhas publicitárias personalizadas para fazê-lo.

A rentabilidade deve ser o primeiro ponto avaliado dentro da aplicação da estratégia. É por meio dela que se pode ter certeza a respeito do segmento escolhido. Assim, a constatação de que aquele público escolhido é um dos mais rentáveis fará uma verdadeira diferença nos números da sua empresa.

Além disso, o tamanho e o potencial de crescimento são pontos também importantes para o seu negócio. Ao escolher o seu segmento, é válido lembrar que ele deve ser grande o suficiente para entregar uma justificativa de afunilamento para a sua segmentação.

Por fim, a acessibilidade também se mostra de extrema importância na hora da comunicação, visto que a sua mensagem dentro do segmento de mercado precisa atingir o maior número de pessoas possível daquele grupo em específico.

Posicionamento: a chave para alavancar sua empresa

Ainda dentro do modelo STP, o posicionamento é definido como uma espécie de espaço, onde uma marca está inserida e deve, de todos os modos, conseguir penetrar na mente dos compradores. Isso significa que o público-alvo poderá, enfim, fixar aquela determinada imagem em sua cabeça, tomando a sua empresa como uma preferência de compra.

O posicionamento da marca é uma das principais estratégias dentro do ramo de marketing, tendo como principal objetivo fazer com que os negócios consigam se diferenciar no mercado. Ele poderá fazer com que os clientes tenham um maior reconhecimento, bem como uma conexão instantânea com uma marca em específico.

Dentro de uma visão bastante ampla a respeito de marketing, o posicionamento é como uma empresa consegue se apresentar enquanto marca, proporcionando o alcance de diversos segmentos dentro do target realizado anteriormente. O principal objetivo é oferecer a um determinado grupo do mercado algo muito maior, de mais qualidade, mais firme ou valioso do que qualquer outro concorrente poderia oferecer.

Como se posicionar da maneira correta?

Uma das primeiras formas com a qual você pode lidar em relação ao posicionamento é a de criar uma oferta que terá resolvido todo o problema do seu target. Quando os obstáculos são identificados, fica muito mais fácil conseguir se livrar deles. Por isso, quando o seu público-alvo perceber que aquele determinado produto ou serviço parece ter sido feito sob medida para si e ainda não conta com empecilhos, eles acabam por se apegar facilmente.

Outra maneira de fazer isso é identificando, com clareza, o que acaba por tornar a sua proposta de venda única dentro do mercado. Já parou para pensar no porquê os seus clientes deveriam seguir comprando os produtos oferecidos? Para que essa pergunta seja respondida com eficiência, o ideal é conseguir compreender como cada um dos segmentos do target realizado funciona, percebendo quais os serviços mais buscados e aprendendo como posicionar a sua oferta dentro do mercado.

Ainda assim é possível desenvolver uma campanha de marketing que esteja mais voltada para cada um dos segmentos. Assim, você poderá apresentar uma solução para os problemas dos clientes, fazendo com que eles apreciem essa resolução das dificuldades. Não esqueça de se certificar de fazer toda essa etapa de modo que convença, seja única e que ninguém tenha a capacidade de recusar.

Qual a importância do posicionamento de uma marca?

Além de promover o reconhecimento dos  clientes em relação à marca, produtos ou serviços, ainda é possível fazer com que o seu negócio cresça ainda mais e tenha outras características atribuídas graças ao posicionamento.

Um dos primeiros motivos pelo qual você deve se preocupar com o posicionamento da sua empresa é a diferenciação no mercado. Diante de tantos outros negócios disponíveis, com maior facilidade graças a internet, o ideal é que se tenha um plano para mostrar o diferencial dos seus produtos. Mostrar que a sua singularidade está a frente das outras é uma ótima opção para alavancar as vendas e criar um vínculo entre consumidor e vendedor.

Além disso, quando a sua empresa define claramente qual produto será colocado à venda e como ele pode trazer algum benefício ao consumidor e mostra que você acabou por excluir o fator de suposição durante o processo de aquisição de um produto, os clientes acabam tomando uma decisão de compra ainda mais rápida. Isso facilita, e muito, na hora de otimizar as vendas e superar os lucros anteriores.

Outra importância do posicionamento de uma marca é a confirmação de seu valor. Quando uma marca está forte e consolidada no mercado, ela não vai precisar gastar tempo e energia para entrar em guerra com a concorrência. Ao contrário disso, será possível determinar valores mais altos em produtos, visto que os clientes já confiam na qualidade e apostariam naquele produto.

Por fim, ainda é possível mencionar a importância nas mensagens ampliadas. Uma declaração de posicionamento de uma dada empresa pode acarretar em histórias criativas e cada vez mais atraentes para o público. Dessa maneira, com uma visão concreta estabelecida para os consumidores, será possível se solidificar ainda mais, principalmente dentro do mercado competitivo.

Estratégias para se posicionar adequadamente

Quando uma estratégia é aplicada de maneira eficaz, o posicionamento de uma determinada marca acaba por ser potencializado. Assim, a relevância para o cliente poderá ser um verdadeiro diferencial competitivo dentro do mercado. Dentre as 3 principais estratégias para um bom posicionamento estão: relevância, diferenciação e credibilidade.

A relevância é uma das prioridades nesta fase. Por meio dela, seus clientes precisarão entender que a marca é atrativa e que pode, sim, ser a primeira opção de compra. Do contrário, ela não poderá fazer parte de um conjunto de marcas que são devidamente lembradas pelos clientes, independente da sua diferenciação ou credibilidade, que serão explicados logo abaixo.

A diferenciação também faz parte de uma boa estratégia. Existem muitos produtos e marcas no mercado. Sendo assim, a sua empresa precisa mostrar a que veio e o porquê de ser a escolhida dentre tantas outras.  Por isso, a marca deve se mostrar única em relação a qualquer que seja a outra oferta competitiva, fixando-se, assim, na mente do consumidor.

Ainda há a questão da credibilidade, visto que é o passo final para que a sua estratégia de posicionamento consiga se sair bem. Caso você não consiga entregar aos seus clientes uma boa imagem, demonstrando que os produtos têm qualidade e que o tempo de resposta é aceitável, por exemplo, não haverá como sustentar os consumidores interessados.

É válido salientar que todas essas características de posicionamento devem funcionar em conjunto para garantir o êxito da operação. Assim, quando unidas em uma mesma marca, é possível ter sucesso e, ainda por cima, manter o cliente como sendo fiel aos seus produtos ou serviços.

Estratégia de marca: mais um passo rumo ao sucesso

A estratégia de marca, de um modo geral, mostra-se como um grande diferencial para gerar valor na cadeia de vendas. Com o cliente satisfeito, e essa percepção sendo espalhada para cada vez mais pessoas, os colaboradores começam a se sentir mais incentivados a se empenhar e trazer à tona os melhores resultados. Além disso, todo esse fator gera ainda mais lucro.

Desde quando o marketing surgiu, até os dias de hoje, muitas tendências de mercado acabaram por ficar para trás. De início, o ideal era apenas divulgar os produtos e o endereço para que todos os clientes tivessem a oportunidade de acessar. A demanda era bem mais alta, mas, ainda assim, a concorrência era quase nula.

Atualmente, nos deparamos com um mercado cada vez mais competitivo. Não se esforçar para inovar pode representar, de certo modo, uma desaprovação do público e, consequentemente, um esquecimento da sua marca. Atualmente, o melhor a se fazer para não desperdiçar potencial é criar uma estratégia de marca.

Para que todo esse processo seja abordado de uma maneira direta e assertiva, será preciso que a sua empresa trabalhe em cima dos conceitos de coerência, consistência e paciência. Os resultados deverão surgir a longo prazo, mas só podem aparecer caso haja uma construção no presente.

O que é estratégia de marca?

A estratégia de marca consiste em um conjunto de processos, bem como atividades e insights que podem fazer com que uma marca, sozinha, consiga gerar valores para os seus produtos ou serviços. Assim, é possível satisfazer todo o público que a cerca de uma maneira única, gerando um grande diferencial dentro do mercado.

Para que seus objetivos sejam conquistados, é necessário que ela seja pensada e coordenada da melhor maneira possível, visando atuar em longo prazo, além de contar com requisitos em específico. O primeiro deles deve ser encontrar um propósito, que pode facilmente ser definido como a crença que a empresa deseja seguir, bem como seus colaboradores.

O segundo ponto é conseguir encontrar consistência em todas as suas atividades. Dessa maneira, repetir a promessa de maneiras variadas para que o público comece a se identificar com a marca é uma boa ideia. Todo o processo deve ser aplicado de modo flexível, tomando como base as diferentes maneiras de se comunicar para que o posicionamento no mercado atual não despenque.

Para que o seu público seja fidelizado e gere maior valor para os produtos, uma estratégia de marca será o suficiente. É por meio dela que uma comunicação mais ampla será gerada, podendo promover maior emoção bem quando o cliente assiste a todas as suas mensagens da empresa. O apelo emocional é um item de extrema importância para essa estratégia dar certo.

O ideal é que se crie um relacionamento com o público-alvo, fazendo com que ele sinta que está fazendo parte de toda aquela construção, como se fosse uma peça essencial dentro da enorme engrenagem que é a sua empresa. Isso não deve envolver unicamente os clientes, mas também os colaboradores para que possam trabalhar com muito mais vontade.

Quais são os objetivos da estratégia de marca?

O principal objetivo da estratégia de marca está, justamente, em agregar valor para a sua empresa. Isso irá ocorrer por meio de um processo de diferenciação da concorrência. Traduzindo: será preciso transmitir uma mensagem bastante clara, permitindo que o público compreenda exatamente do que se trata aquele determinado produto ou serviço. A consequência deste primeiro foco é o fortalecimento da companhia diante do mercado competitivo.

Outro dos objetivos lançados pela estratégia de marca é a atração do público certo para a sua empresa. Tendo em vista que o mercado passa a atender uma marca e sabe exatamente o que encontrar nela, a valorização aumenta, possibilitando a construção de uma estratégia de marca mais eficaz.

Sendo assim, os produtos que são semelhantes passam a ter um posicionamento completamente diferente, fazendo com que diversos públicos acabem sendo atraídos. No entanto, o que conta é criar uma experiência para que o consumidor se sinta confortável e que ainda passe a mensagem desejada para que o vínculo entre comprador e empresa seja fortalecido.

A importância da definição da marca

Promover uma construção de valor por meio de uma estratégia de marca, a longo prazo, acaba por ajudar a impulsionar um direcionamento para a sua empresa, fazendo com que ela tome melhores decisões. Sendo assim, a importância está em agregar valor à sociedade enquanto se mantém no mercado por longos anos.

Um dos principais pontos da definição da marca é clarear os objetivos, visto que ela ajuda a compreender melhor os objetivos da empresa e, dessa maneira, direcionar as próximas ações que precisam ser tomadas, independente do setor. Após isso, é importante lembrar que o branding precisa ser vivenciado dentro do negócio, atribuindo maior caráter de veracidade para ele.

Outro grande ponto importante é a diferenciação dos concorrentes. Ninguém quer implementar uma marca e acabar sendo igual ou comparado com outra. O ideal é ser único, tanto que um cliente irá parar pra pensar em comprar algo e, automaticamente, pensar na sua empresa como primeira opção de busca. Uma boa estratégia de marca tem personalidade própria.

A estratégia de marca também ajuda a orientar a estratégia de marketing aplicada. Ao construir uma identidade, a escolha dos valores precisa ser feita o mais rápido possível, trabalhando-os por meio de um plano de marketing bastante eficaz. Assim, será possível conduzir o público para as vendas dos seus produtos e/ou serviços.

O direcionamento da comunicação com os clientes também é um passo importante a ser dado. Quando uma empresa consegue falar a mesma língua do consumidor, as coisas, definitivamente, mudam de figura. Um grande exemplo de boa comunicação pode ser dado por meio da Netflix, que sempre está com boas respostas para dar em redes sociais de grande tráfego.

Outro item que pode ser mencionado como importante dentro de uma definição de marca é a retenção de talentos, bem como o atrativo para novos. Os colaboradores que conseguem acreditar nas mensagens transmitidas pela própria marca tendem a se empenhar ainda mais. Além disso, outros talentos irão desejar se juntar à empresa, fazendo com que ela cresça cada vez mais e com maior qualidade.

Por fim, ainda há a questão da definição de metas. Por meio de uma boa estratégia de marca, é possível definir onde a empresa deseja chegar quando o assunto é reconhecimento de imagem. Isso vai tornar possível um planejamento de ações mais fácil de ser alcançado e organizado.

Qual a maneira certa de criar uma estratégia de marca?

Assim como foi dito anteriormente, para criar uma estratégia de marca é necessário pensar no futuro. O processo é um pouco longo, visto que as suas etapas irão depender muito do método adotado por determinada empresa. No entanto, de uma forma geral, é essencial ficar atento à necessidade de trabalhar cada um dos passos com extrema dedicação.

O primeiro passo para criar uma estratégia de marca sólida é definir o público-alvo e criar personas. Essa é uma escolha que vai atingir, querendo ou não, todos os passos que aqui serão listados. Ele interfere diretamente na criação de novos produtos que serão apresentados aos consumidores, além de auxiliar a compreender o público de uma forma mais límpida.

O segundo passo é o de escolher o posicionamento da sua empresa ou marca. Essa é a forma com que o seu negócio poderá enxergar o mundo e, ainda por cima, definir quais são os seus valores. Sendo assim, o ideal é que o posicionamento esteja diretamente voltado para os seguintes fatores:

  • público-alvo;
  • valores;
  • crença da marca, bem como as ações que ela defende.

O terceiro passo é o desenvolvimento da identidade. Para que isso possa ser feito, é necessário trabalhar todos os seus pontos de contato. Na atualidade, o meio digital é uma das formas mais eficazes de alcançar determinados objetivos. Por isso, as estratégias que envolvem conteúdo interativo são importantes. Saber como criar um blog já pode ser o seu primeiro passo.

O quarto passo consiste em trabalhar com a associação de palavras. Estabelecer um universo gramatical para a sua empresa deve ser uma das prioridades. Dessa maneira, a comunicação para com os leitores será facilitada, principalmente se o intuito da empresa é mexer com sensações e o interesse de seu público.

O quinto passo é a consistência. O ideal é que a empresa consiga se lembrar de tornar a mensagem única e com coerência, deixando que todos os pontos estejam homogêneos com relação ao comunicado. Os clientes precisam se sentir no seu ambiente, independente de qual lugar estejam, seja por loja física ou virtual.

O sexto passo é a satisfação do cliente, talvez um dos pontos mais importantes, visto que é ele quem define o sucesso da sua empresa. São muitas as maneiras existentes de passar uma mensagem principal. No entanto, o ideal é que ela consiga atingir o consumidor de um modo único, que não gere dúvidas nem insegurança.

O sétimo passo é a busca por embaixadores da marca. São essas pessoas que criam maiores conexões emocionais entre o público e a empresa. Na maior parte dos casos, são chamados de “influencers” e participam ativamente de redes sociais populares, como o Twitter, Facebook ou Instagram. Por meio deles, é possível produzir conteúdo orgânico e aumentar o engajamento.

O oitavo e último ponto é a formalização de parcerias para co-branding. Este termo que surgiu agora dentro do texto significa a criação de estratégias de marketing que acabem por entrelaçar as empresas com a mesma visão de mercado. Seu principal objetivo é aumentar o valor da marca e fazer com que a experiência dos clientes seja além do esperado.

Qual a diferença entre marketing e estratégia de marca?

Muito embora pareçam ser a mesma coisa, o marketing e a estratégia de marca costumam trabalhar juntas, mas com significados diferentes. A principal diferença entre elas é que a estratégia de marca acaba por ser um verdadeiro norte para o marketing. Sendo assim, ela deve ser definida com antecedência para que o resto seja feito de modo assertivo.

O marketing é o principal responsável por transmitir uma mensagem com altas definições. Isso significa que ele mensura se está, ou não, surtindo efeito para o seu público principal. Por fora dessa concepção, o marketing pode ser mais manipulável, controlável, o que significa que é uma das partes da estratégia de marca onde a empresa precisa atuar mais ativamente.

Dessa forma, será possível criar peças publicitárias eficazes, que atinjam o consumidor do modo esperado. As mensagens precisam estar nos pontos de contato da sua marca. No entanto, ainda é preciso encontrar a parte que vem do público, aquela percepção tida como a estratégia criada pela empresa.

Elementos da estratégia de marca

Um dos primeiros elementos a ser levado em consideração pelo esquema de estratégia de marca é o objetivo. O ideal é que, neste ponto em específico, seja falado a respeito de visão, missão e propósito. Por que a sua marca foi criada e como ela poderá trazer algum impacto positivo na vida do público?

Outro elemento extremamente importante é o público-alvo. Toda empresa deve definir para quem vai vender. Isso ajuda, e muito, na hora de montar propagandas e fazer com que a marca seja conhecida pelos 4 cantos do mundo. Já parou para pensar em pra quem você está fazendo propaganda agora? Quais são os interesses desses clientes? Quais suas necessidades e hábitos?

O posicionamento da marca também é extremamente relevante. Por meio dele, você conseguirá definir o que é preciso para que a sua empresa acabe se posicionando de forma positiva no mercado competitivo. Quais são as estratégias a serem utilizadas para alcançar o sucesso e o coração do público? O que te diferencia?

Por fim, ainda há a identidade da marca, bem como uma estratégia de marketing sólida. Por meio dessas duas fontes, é possível saber como as pessoas estão vendo a sua empresa e de que maneira elas podem interagir com a marca. Além disso, estabelecer uma forma de comunicação é de extrema importância.

Quais são as bases para uma boa estratégia de marca?

Para que um valor seja agregado a sua marca, é necessário levar em consideração alguns aspectos importantes e auxiliares. Os considerados essenciais são autoexplicativos, ou seja, devem estar lá de maneira obrigatória. O ideal é que sejam devidamente posicionados logo no início do projeto montado pela empresa.

Dentre os aspectos essenciais de uma marca, é possível mencionar:

  • diferenciação;
  • relevância;
  • propriedade;
  • consistência.

Ao falarmos em auxiliares, podemos mencionar:

  • propósito;
  • emoção;
  • flexibilidade;
  • colaboradores;
  • lealdade;
  • consistência competitiva.

Aspectos essenciais

A diferenciação é o primeiro ponto a ser abordado. O ideal é que você se lembre da época da infância, onde figurinhas eram colecionadas com afinco. O mesmo acontece com uma empresa do mesmo modo que na época em que encontrava figurinhas repetidas: ninguém deseja ter uma estratégia de marketing duplicada. O fator diferenciação trabalha diretamente para que a sua marca se posicione bem dentro do mercado, sendo única e exclusiva.

A relevância é o segundo ponto. Quando a sua marca tenta ganhar o mercado apenas se expondo, as chances de fazer sucesso são muito pequenas, ainda mais pelo grande número de outras empresas dentro do mercado competitivo. Por isso, o ideal é trazer algo que realmente se mostre um diferencial, com muita relevância para o público. Antes de mais nada, pense no porquê de um cliente desejar determinado produto ou serviço oferecido, quais são os diferenciais.

A propriedade também tem a sua relevância. Ela simboliza uma construção sólida, que depende diretamente da junção de todos os elementos que acabem por agregar valor à marca. Por meio dela, você pode optar por elementos verbais, visuais e conteúdos alternativos para que o público entenda que a sua marca sabe realmente o que deve ser feito e quando deve ser feito.

A consistência é um dos fatores mais importantes para sustentar o branding. Sem ela, não será possível compreender quem a marca realmente se tornou, o que ela defende, do que gosta e o que ela está fazendo ali, dentro de outras no mercado competitivo. Para que um bom resultado seja alcançado, é necessário alinhar a voz da marca e entender o que precisa ser dito, ou não. Por vezes, é mais sábio apenas calar e tentar se mostrar de outra maneira.

Construção de uma boa estratégia de marca

O primeiro passo para que a estratégia seja bem construída é saber como a marca reage ao público. Para isso, imagine que ela é uma espécie de pessoa. Questione-se acerca de sua personalidade, bem como seus pontos de contato. O ideal é visar, principalmente, um manifesto da marca, ou seja, o que ela tem para dizer ao mundo.

Outro grande ponto é que a marca precisa ter atributos. De nada adianta começar um negócio e não saber como dirigi-lo. Para isso, escolha entre 3 ou 4 adjetivos que definam bem os seus propósitos e que possam chamar bastante a atenção do público. Assim, suas principais características poderão estar sempre em evidência.

Uma marca também precisa ter um propósito e um posicionamento. Não vai adiantar criar um novo negócio que seja vazio, que não tenha uma visão ampla do futuro. O ideal é que ele se mostre diferente de qualquer outra coisa que já foi vista pelo público. É por meio destes dois pontos que a marca se tornará única.

A marca deve ser construída, principalmente, pelo universo verbal. É por meio dela que a forma com a qual uma empresa e o público se comunicam pode ser estabelecida. É mais do que válido fazer uma pesquisa antecipadamente para saber mais a respeito das redes sociais mais acessadas e como expor o seu negócio com elas.

A identidade visual também é um passo de extrema relevância, muito embora não se mostre eficiente quando isolada. Por isso, para que você tenha maior sucesso, siga todos os passos anteriores, ofereça consistência ao seu nome e, então, preocupe-se com a parte visual. A logo, os elementos e os grafismos devem ser devidamente escolhidos de acordo com a personalidade que se deseja passar.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Seu comentário:

Seu nome: